Fale conosco

Você quer conversar? Mandar dúvidas ou sugestões? Esperamos pela sua mensagem!






FAQ

Dúvidas? Confira as perguntas mais frequentes que recebemos e separamos para você.

1. Quais são os tipo de adoçantes?

A ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) considera os adoçantes como produtos formulados que dão o sabor doce a determinados alimentos e bebidas, sendo o principal deles a sacarose, que é o açúcar de cana. Os adoçantes dietéticos também oferecem doçura, mas não possuem sacarose nas suas composições, já que são voltados para os diabéticos.

Os adoçantes dietéticos são compostos por edulcorantes, que são substâncias químicas responsáveis pelo sabor doce que você encontra nos chocolates Diatt. Além de serem mais saudáveis, eles possuem pouquíssima ou nenhuma caloria.

Os edulcorantes são divididos em dois grupos: naturais (extraídos de vegetais e frutas) e os artificiais (produzidos em laboratório). Entre os naturais estão: o esteviosídeo, o sorbitol, manitol e a sucralose, que é o adoçante utilizado nos chocolates Diatt.

A sacarina, o aspartame, o ciclamato e o acesulfame fazem parte do grupo dos artificiais, que não são muito recomendados pelos médicos e nutricionistas.

Garantimos que os chocolates Diatt possuem a qualidade e o sabor que você procura para satisfazer a sua vontade e contribuir para uma vida muito mais saudável.

(fonte https://www.sonutricao.com.br/conteudo/artigos/tiposdeadocantes/)

2. O que é glicose e insulina?

Antes de entender o que é diabete e quais são os seus tipos, é importante saber o que é glicose e insulina.

A glicose é um carboidrato simples presente em inúmeros alimentos e sua função é fornecer energia ao nosso organismo. Já a insulina é um hormônio produzido no pâncreas e tem a função de facilitar a absorção da glicose pelas células do corpo, diminuindo a concentração de glicose no sangue.

Por isso, sem a insulina não há absorção de glicose, o que eleva a concentração desse carboidrato no sangue e causa a diabetes.

3. Quais são os tipos de diabetes?

O primeiro tipo de diabetes é a do tipo 1, na qual o pâncreas deixa de produzir insulina ou produz em quantidade insuficiente. Isso aumenta a concentração de glicose no sangue e faz com que o paciente precise aplicar insulina todos os dias através de injeções. A diabetes tipo 1 não tem uma causa específica, mas os médicos acreditam que ela tenha origem genética ou autoimune, podendo aparecer em crianças, adultos e idosos.

A diabetes tipo 2 é mais comum em pessoas com mais de 40 anos, obesos, sedentários e fumantes. Nela o pâncreas produz insulina normalmente ou produz em pouca quantidade, mas o organismo não é capaz de utilizá-la de maneira correta.

O último tipo de diabetes é a gestacional, que se manifesta durante a gravidez e desaparece com o tempo na maioria dos casos. Nesse caso, a mulher pode desenvolver a diabetes tipo 2 e deve ter acompanhamento médico para monitorar os riscos para a ela e para o bebê.

(fonte https://mundoeducacao.bol.uol.com.br/doencas/diabetes.htm)

4. Como ter uma alimentação mais equilibrada?

A alimentação equilibrada pode ser muito mais simples e fácil do que parece e vai te proporcionar mais energia, satisfação e bem-estar.

A principal recomendação da OMS (Organização Mundial da Saúde) é aumentar o consumo de frutas, verduras e legumes, já que esses são alimentos ricos em nutrientes que o nosso corpo necessita.

Outra dica é evitar excluir alimentos ou determinados grupos alimentares da sua rotina (desde que você não possua nenhuma alergia ou restrição). Excluindo totalmente o glúten ou a lactose, por exemplo, você pode prejudicar seu organismo e fazer com que ele possivelmente crie restrições a essas substâncias no futuro.

Ter um hábito saudável está totalmente ligado a organização e planejamento. Por isso, organize suas refeições de acordo com a sua rotina. Planeje seu almoço, tenha sempre em mãos um lanche saudável para comer entre as refeições principais e principalmente: beba muita água!

Além dessas dicas, procure sempre comer com calma e atenção, mastigando bem os alimentos. Na hora das suas refeições, deixe de lado a televisão, o celular e o computador. Foque na sua comida e saboreie tudo com muita calma.

Tudo isso vai te dar uma maior saciedade e vai te permitir desfrutar melhor dos benefícios dos alimentos que estiver consumindo.

5. O que é o Selo ANAD?

A ANAD é a Associação Nacional de Atenção ao Diabetes e foi fundada em 1979 com o intuito de atender, orientar, tratar e educar pessoas com Diabetes e os seus familiares. Essa organização atua junto de profissionais da saúde com o objetivo de oferecer um atendimento cada vez melhor para o portador dessa doença.

O Selo da ANAD nada mais é do que uma certificação encontrada em diversos produtos que garante ao consumidor que aquele alimento não possui adição de açúcar e pode ser consumido por pessoas com esse tipo de restrição sem nenhum problema.

6. Quais são os benefícios da sucralose?

A sucralose tem mais benefícios do que você imagina. Além de não possuir caloria por não ser metabolizada pelo nosso organismo, ela não aumenta o nível de glicose no sangue, não causa cáries como o açúcar refinado e ao contrário de outros tipos de adoçantes, a sucralose não possui contraindicações de consumo.

Ela chega a ser 800 vezes mais doce do que o açúcar normal, o que faz com que seja possível adoçar os alimentos com uma quantidade muito pequena desse ingrediente. Além de tudo isso, a sucralose não apresenta o sabor amargo e residual comum de outros adoçantes e garante que os doces com ela presente na composição sejam doces de verdade, como os chocolates Diatt. Fica até difícil de acreditar que não tem açúcar!

7. Como cuidar de uma hipoglicemia?

A hipoglicemia é bastante comum em portadores de diabetes. Os sintomas geralmente são: fome, tremores, fraqueza, confusão mental, entre outros.

Tudo isso acontece quando o nível de glicose no sangue está muito baixo (inferior a 60mg/dl) e geralmente por falta de uma alimentação balanceada em horários corretos.

O melhor jeito de evitar uma hipoglicemia é respeitando os horários corretos das refeições, não fazer esforço excessivo na hora de praticar exercícios físicos, seguir as doses corretas de insulina e se medicar corretamente de acordo com a recomendação do médico.

Caso a hipoglicemia apareça, o melhor a se fazer é ingerir algum alimento rico em carboidrato. Os médicos recomendam a ingestão de pelo menos 15g de carboidrato, como uma colher de sopa de açúcar com água; 150 mL de refrigerante; 150 mL de suco de laranja ou 3 balas doces. Caso o nível de glicemia permaneça baixo depois de 15 minutos, o recomendado é repetir todo o processo.

Nos casos em que o paciente fica semiconsciente ou inconsciente, o melhor a se fazer é injetar glucagon, que é um hormônio para aumentar a glicose no sangue. É importante não oferecer nenhum tipo de alimento para a pessoa que estiver inconsciente, já que ela pode se engasgar e o problema ser agravado.

Para evitar a hipoglicemia, uma boa ideia é consumir um lanche rápido que contenha carboidrato e proteína, como um pão com queijo por exemplo, antes de dormir. Isso vai prevenir a queda da glicemia durante a noite.

Além disso, é muito importante monitorar a glicemia durante o dia e ficar atento à alimentação e na hora de praticar atividades físicas. É necessário medir a glicemia antes dos treinos para garantir que o todo esforço não resultará em uma hipoglicemia. Por fim, evitar o consumo de álcool é essencial para manter os níveis desse carboidrato adequados.